01 outubro, 2008

O Simbolismo Animal

O Simbolismo Animal

Tratar alguém por nomes de pássaros, passar do galo ao asno...
Algumas palavras de ternura: minha gata, meu gato, filhote, pombinha, pombinho, pantera...
O vôo dos corvos sobre as planícies, língua de víbora, olho de lince, raposa velha, falcões, gaviões, lobo em pele de cordeiro...
Teimoso como uma mula, orgulhoso como um galo, esperto como um macaco...

Expressões corrente que atestam a importância da presença animal na vida de todos nós diariamente. Forjam um bestiário abstrato, que povoa nossa fraseologia cotidiana e reafirmam, embora indiretamente, a natureza animal do ser humano.
O animal age por instinto. E que é o instinto senão inteligência natural e inata, que o homem também deve ter possuído em idades remotas? É certo que as relações entre o homem e o animal, outrora mais harmoniosas, sem dúvida, degradaram-se com o tempo.
O drama do ser humano é que só age a partir de sua celebridade orgulhosa, e se esquece da inteligência, do coração, a qual, não obstante, é o que há de melhor nele.
Nessas condições, como esperar que encontre seu lugar na Natureza e no Universo?
Esse lugar, que lhe cabe por direito, ele o perdeu por seus atos antinaturais, ele, que só pensa em juntar riquezas materiais e rejeita as da alma infinitas. E a paixão - amor ou ódio - inspirada ao homem pelo animal não tem algo da parcela de divindade que o ser humano não cessa de perder e procurar?
Porque essa Natureza Cósmica do homem não é senão a Natureza mesma, a Natureza do animal, que o ser humano inveja e rejeita.
O animal tem, pois, lugar todo particular no imaginário humano. O espaço do pensamento que ele ocupa é importante.
O simbolismo animal reflete não os animais, mas a idéia que o homem tem deles e, talvez definitivamente, a idéia que tem de si próprio.
O simbolismo animal está profundamente gravado em nosso inconsciente coletivo. Herdamos sentimentos e recordações inconscientes que condicionam nosso comportamento consciente

............
Nas religiões antigas existem registros de rituais do homem e do animal em todos os hemisférios. Exemplos como Ganesha, a divindade hindú, forma humana com cabeça de elefante; no Egito, Thot, forma humana com cabeça de falcão.

Na astrologia os símbolos astrológicos são animais. Na astrologia chinesa idem. Nos chacras, há para cada vórtice um animal que carrega o bija (O Mantra Semente). A Kundalini é representada por uma serpente.

O simbolismo animal também está presente em todas as linhas de ocultismo, na alquimia, nas cartas de tarô, nas runas, no I Ching, etc.
Desde tempos imemoriais as pessoas procuram por visões e mensagens do Grande Espírito. A forma mais comum desde então é o contato mais íntimo com a natureza através de uma interação com os animais. As plantas e as pedras. Destes eram absorvidas mensagens que orientavam nos dando direção, proteção e cura, nos ajudando em nossa sobrevivência e harmonia com a Mãe Terra.
Dos animais podería-se tirar e entender mais mensagens que eram aprendidas a partir da simples observação de seu hábitos e interação com o ambiente. De uma águia podemos retirar a lição de liberdade, coragem, foco, altos ideais, visão poder e espírito.
Os animais podem nos ensinar muito. De suas qualidades podemos aprender o que está faltando ou sendo mal direcionado em nós. Portanto tudo que você tem a fazer é prestar atenção na mensagem de cada animal, pois estes podem nos refletir nossas próprias características. Ocorrências de sincronicidade se tornam freqüentes nos alertando para estas mensagens.
Existem vários métodos de conexão e comunicação destas fontes inesgotáveis de conhecimentos e harmonia que podem ser percebidos pela simples aparência, atividade ou comportamento de um animal. Descubra o seu animal de poder prestando atenção nestes detalhes. Examine cada mensagem cuidadosamente para seu fortalecimento, direção e cura.
Um animal de poder ser um mamífero, um pássaro, um peixe, um inseto ou um réptil. Procure por seu animal de poder, suas qualidades e mensagens.

Aparece em diferentes cultos religiosos da Ásia Central e Setentrional, África, Américas e Oceania, em culturas antigas em diferentes estágios de evolução, particularmente nas sociedades indígenas.
Por essa razão, o Xamanismo não é considerado uma religião propriamente dita, mas um traço característico a diversas religiões.
Usualmente, as principais tarefas destinadas a um Xamã são a cura, a adivinhação e a busca de soluções para problemas ou questões da coletividade.
É comum que o Xamã entre em estado de transe emocional e que utilize plantas, animais e minerais em sessões rituais, que podem incluir a ingestão de bebidas muitas vezes alucinógenas.

O Xamanismo é a "Arte" ligada aos poderes dos elementos, à Gaia (Terra), às forças oriundas dos animais, plantas dos bosques e florestas e de nossos ancestrais.
Os Xamãs cultuam o "Grande Espírito", Pai-Mãe Criador, que é "Deus". Possuem técnicas milenares, de onde provém a prática em descobrir no seu instinto, como cultivar o animal que todos levamos dentro de nós e que em qualquer momento pode chegar a manifestar-se.
Essa característica passa por povos, lugares e tempos diversos, e sempre encontra uma forma de se expressar, manifestando-se em estados puros de agressividade, nos momentos de por a prova o poder que cada um tem para sobreviver em um ambiente hostil, seja na selva, seja nas cidades.
As vivências no Xamanismo em estado puro e selvagem, é totalmente diversa do Xamanismo praticado nas cidades de todo o mundo. Nas cidades, a prática do Xamanismo também se faz presente, mas se traduz em um estado e uma vivência bem diferente do Xamanismo praticado em plena selva, onde o animal de poder é freqüentemente observado em seu aspecto puro e se adota sua postura, forma e poder, para desenvolver tarefas no mundo dos espíritos.

Segundo as tradições indígenas todo ser humano possui um totem animal, um espírito em forma de animal que além de emprestar algumas de suas características ao Xamã, também age como guardião e conselheiro, chamado "Animal de Poder".
O "Animal" desperta no Xamã instintos adormecidos que podem deixá-lo melhor preparado para enfrentar as situações adversas.
O grande desafio do iniciado no Xamanismo, é encontrar esse animal, identificá-lo e domesticá-lo, cavalgando no seu poder. O verdadeiro Xamã se converte em seu animal de poder, descendo aos porões do reino animal, para dele melhor compreender sua missão e a sua força neste mundo. Porque é do nosso animal de poder que tiramos forças para lutar, competir, enfrentar nossos inimigos e vencer obstáculos, usando a sua força animal.
Dependendo do animal que se manifestar, o Xamã poderá adquirir certos poderes mágicos, como por exemplo: Ver mais longe (Águia, ou Gavião), enxergar inimigos ocultos (Coruja), perseguir seus objetivos (Falcão), etc.

Para os Yanomami da Amazônia e Venezuela, todo homem tem como seu duplo anímico um animal de poder, chamado de "duplo animal". Os animais também podem ser espíritos de ancestrais, que vivem nas florestas e que assumiram essa forma por terem comportamentos descontrolados ou fora de alguma regra social.
Conectar com um animal de poder através de sua sabedoria de sobrevivência, comportamento e maestria é conectar com nossa própria essência e com as qualidades instintivas que tem o ser humano como parte da Natureza.
É buscando esse poder animal dentro de nós que nos preparamos para as batalhas da vida e do espírito.

Veja algumas descrições desses animais de poder, de acordo com as tradições das Tribos Brasileiras:

OS ANIMAIS DE PODER


UIRAPURU - Pássaro raro, não se permite ver facilmente. Quando se mostra, sempre está disfarçado para que não o notem. Seu canto é inédito, mas é considerado de beleza rara e única. Traz paz e ao cantar todas as outras criaturas da floresta calam-se para ouvi-lo.


SERPENTE - A serpente é aquela que ergue a vida e cria a realidade, é o poder criativo, transmutador e nos faz conhecer valores profundos do ser. Para os Guarani, é o eixo por onde se ergue o ser humano, a coluna vertebral. Na sua base está o poder gerador de vida da Grande Mãe.

CORUJA - É a sabedoria. Tem a capacidade de ver o oculto e inconsciente. Conhecedora dos mistérios, ela permite-nos vencer o temor e aprender a qualidade da consciência do existir em todos os níveis e do fluir. Por ver na escuridão, sua qualidade também está no ultrapassar as limitações do perceptível, mostrando-nos a totalidade e as várias realidades, da qual o mundo material é apenas uma parte.


ESCORPIÃO - Animal de poder muito importante encontrado na cerâmica de civilizações amazônicas, representa a proteção e a preservação da natureza humana ou animal. Está associado à capacidade de atacar quando ameaçado, sendo capaz de qualquer coisa para manter a sua integridade.

JABUTI - É um animal de grande longevidade. Suas qualidades estão associadas à esperteza, inteligência, paciência, tranqüilidade, atenção, fé, força e coragem.

PAPAGAIO - Assim como a arara, o papagaio é multicolor, transmite alegria e a força do arco-íris. Desperta a retórica, o saber falar e o quê falar. Pelo seu poder de comunicação, aproxima-se facilmente do homem. Pode ser considerado uma ponte entre o mundo dos pássaros e dos humanos.

ONÇA - A onça é deliberadamente solitária. É astuciosa, observa os movimentos da presa antes de atacá-la. Como qualidades desse animal, desperta o aprender a conviver consigo mesmo e a não depender dos outros para atingirmos objetivos. Ensina a conquista do nosso espaço, a cautela, o saber agir, a habilidade e a agilidade.

Utilizamos os animais da fauna brasileira apenas para ilustrar o nosso trabalho de uma maneira coerente com as tradições das tribos com as quais estamos mais familiarizados.
É evidente que além desses animais, poderão se manifestar outros, de outras tradições, tais como: Lobo, Cavalo, Urso, Morcego, Raposa, etc. e, até animais considerados domésticos, como o Cão e o Gato.

RITUAL PARA DESPERTAR O ANIMAL DE PODER

Numa noite de lua cheia, tome um banho de ervas (de sua preferência) e sal grosso, coloque uma roupa limpa e confortável, dirija-se a um local tranqüilo, se possível ao ar livre.
Acenda uma pequena fogueira. (que deverá ser extinta no final do ritual, tomando todos os cuidados para não provocar incêndios).
Faça um círculo mágico com pedras previamente recolhidas, sente-se de pernas cruzadas no centro do círculo e de frente para a fogueira que deverá estar fora do círculo.
Acenda uma vela branca à sua esquerda e um incenso (de sua preferência) à sua direita.
Tenha à mão um maço de ervas secas de sua preferência (Arruda, alecrim, benjoim, alfazema, etc.)
Jogando um punhado de ervas na fogueira, faça a seguinte invocação:
"Que o Grande Espírito esteja comigo hoje e sempre."
“Eu (diga seu nome), seu (sua) filho (a), peço sua permissão para iniciar este ritual.
Espíritos ancestrais, acendam as chamas dos irmãos animais, para que possam iluminar meu caminho."
Jogue mais um punhado de ervas na fogueira e diga:
"Ancestrais, antigos aliados, aqueles que trazem a memória do tempo, ouçam meu pedido, sintam minha intenção, estejam comigo."
"Nas patas do cavalo, nos olhos da coruja, nas asas da águia, nas garras da onça, no bico do gavião, que se acenda em minha alma a força do meu animal guardião."
Jogue outro punhado de ervas na fogueira.
"Que meu animal guardião se apresente agora, que eu possa senti-lo e a ele me religar."
Respire profundamente e deixe a sua mente vagar em busca do animal. De olhos fechados, deixe que seu animal se apresente. É possível que vente nesse momento, ou ocorra algum fenômeno atmosférico, como um trovão, por exemplo, não se assuste.
Sinta seu corpo, sinta seus pés, sinta as patas do animal fundindo-se aos seus pés e mãos. Sinta suas pernas, braços e tronco. Sinta todas as partes de um animal se fundindo ao seu corpo. Procure identificar o animal. A essa altura você já saberá qual é este animal, então sinta a cabeça do animal fundindo-se à sua cabeça.
Nesse momento você será o animal, começará a sentir-se como o animal, não tema, pois estará protegido no círculo mágico. Sua mente poderá assumir o animal e explorar o território sob a identidade do animal. Se for um pássaro, poderá voar, se for um peixe experimentará a sensação de nadar, se for um felino sentirá seu poder, e assim por diante.

Concentre-se no animal e experimente o seu poder, seja o animal, viva o animal.
Este ritual poderá durar horas ou minutos, dependerá exclusivamente de você.
Quando quiser finalizar o ritual, agradeça ao Grande Espírito e as entidades presentes, por esta experiência, bata palma três vezes, dizendo: “Este ritual está encerrado”.
Apague a fogueira, desfaça o círculo.
Caso não consiga despertar seu animal, no primeiro ritual, não desista, quando chegar em sua casa, faça a seguinte oração:
“Espíritos antigos, meus ancestrais, em nome do Grande Espírito, ouçam minha oração, revelem-me em sonho meu animal guardião.”

Repita o ritual na próxima lua cheia.

Obs.: Este ritual poderá ser adaptado, para ambientes fechados, apenas substituindo a fogueira por um braseiro em um incensório de olíbano, ou outro recipiente com a mesma finalidade, as ervas poderão ser substituídas por tabaco aromatizado.
Pode-se utilizar música, de preferência indígena ou instrumental.
Poderá também ser aplicado em grupo, sob a orientação de um Xamã.


"Não ande atrás de mim, talvez eu não saiba liderar. Não ande na minha frente, talvez eu não queira segui-lo. Ande ao meu lado, para podermos caminhar juntos".
Provérbio Ute

Sérgio Sakall

3 comentários:

Anônimo disse...

Olá, estava a procura de algumas imagens e gostei muito do seu blog, muito explicativo sobre os varios cultos, culturas e "religiões", gostei da parte em que fala do xamanismo, sou praticante, só discordo de uma coisa, com tanta informação que você transmite, deveria saber que as bebidas usadas nos rituais de xamanismo não são alucinógenas, infelizmente o que o homem não consegue racionalizar é melhor dogmatizar.
Parabéns pelo site

marcos libenmor disse...

Excelente artigo. Sempre senti uma certa conexão com a natureza e com os animais,entretanto, Sem saber isso e uso alguns para mim,mas de forma simbólica
O lobo,a coruja e o colibri.
Não sei se algum deles é meu o Meu,mas São meus símbolos aos quais já há muito estou ligado
É possível ter três?

Guinevere disse...

Boa tarde.
Sim. Provavelmente com o passar dos anos sua afinidade com um só será mais clara.