07 outubro, 2007

Ser Bruxa (o)


É ser uma pessoa sensível, às vezes, muito mais do que se gostaria de ser. Não é ser paranormal, nem ter superpoderes, nem ser adivinho, ou sequer lidar com oráculos, como o tarô, as runas ou qualquer outro.
Ser bruxo é amar o feminino em harmonia com o masculino. É potencializar o melhor dessas duas polaridades e compreender que são interdependentes e complementares.
Às vezes é ser meio "bicho esquisito", sim. Não acredito que se interessem por Bruxaria, e, menos ainda que sejam bruxas, pessoas muito convencionais, muito adaptadas ao padrão social. Até porque, a Bruxaria é uma religião mais solta, menos dogmática, não hierarquizada, que responsabiliza a nós mesmos pela nossa vida, que nos ensina a buscar o contato direto com os Deuses, e não delegar poder a outros sacerdotes que não sejam nós mesmos, e a maioria das pessoas não querem isso.
Os verdadeiros bruxos e bruxas não precisam que nenhuma organização lhes outorgue o título, lhes reconheça como tal. Até por que isso é a maneira patriarcal, cartesiana de se organizar e de agir, que nada tem a ver com esse novo-velho modo de agir que tentamos resgatar, que é uma visão de mundo e uma atitude mais ligada à Deusa, ao feminino e ao masculino adulto, e não ao masculino infantil representado pelo patriarcado.
Os que ainda se prendem a tais bobagens não são os verdadeiros bruxos; podem até ser os que se encontra com mais facilidade, mas isso é bem diferente.
São os que ainda não entenderam bem a fundo a magnitude da mudança proposta pela Wicca.

A Bruxaria está para ocultismo como o punk está para o rock. Faz parte dele, mas diferencia-se pela rebeldia, pelo "faça você mesmo", em oposição a métodos rígidos, ao virtuosismo, ao racionalismo, ao modo de pensar patriarcal que se baseia em conhecimento teórico em detrimento ao conhecimento emocional, visceral. Ou seja, saia da platéia e vá para o palco, ainda que você só saiba três acordes.
Expresse-se! O mais importante para um bruxo é o amor. O amor acima de tudo.
Ser bruxo é respeitar que muitos pensam de forma diferente disso, e nem assim devem ser inimigos, pois a tolerância religiosa e o respeito à diversidade são cruciais para todos nós, seres humanos. O nosso ponto de vista é o melhor apenas para nós; o do outro é, certamente o melhor para ele e tudo bem se continuar sendo, pois não podemos nem tencionamos fazer proselitismo. Apenas todos devem poder se expressar livremente e ser respeitados. Isso é um dos primeiros aprendizados espirituais, não só da Wicca, pois eu disse "espiritual" e não "religioso"; uma das coisas muito bonitas que eu encontrei na
Wicca foi esse ensinamento de não promover a religião, e sim, deixar que as pessoas se atraiam por ela naturalmente, se tiver que ser.
Hoje sei que ser bruxo não é para qualquer um, não. Já pensei que quem quisesse poderia se tornar um, descobri que não. Precisa de um dom, sim. Mas não quero dizer com isso que sejamos só melhores por termos esse dom, podemos ser piores, em muitos aspectos, pois sofrem mais as pessoas mais sensíveis. Preocupo-me com as pessoas que querem ser bruxas por achar que todos os seus problemas se resolverão, ou que isso lhes dará um motivo para empinar os narizes e se acharem melhores que outros... E preocupo-me também pelos que se deixam iniciar por outrem, apenas por acharem que isso é o correto, que suas iniciações precisam ser reconhecidas por tal organização. Eu, já tendo passado por ambas, não acredito em outra forma de iniciação mais poderosa do que a auto iniciação.

Com um acompanhamento de um Wicca mais experiente, sim, mas o momento é solitário. A experiência é muito mais forte se você estiver sozinho. É como um parto, o médico ajuda, mas foi ele que lhe deu a vida? É ele que legitima sua existência? Que lhe dá seu sobrenome? Então, porque se preocupar com quem iniciou quem lhe iniciou? Uma linhagem?! Uma tradição? Que tolice. Tem gente que chega a inventar seu histórico na Wicca pra se sentir mais "legítimo". Isso é ridículo demais.
O que precisamos ter é pelas pessoas que, na vida real, nos orientaram e transmitiram seus conhecimentos a nós; nossos professores sempre devem ser lembrados com carinho e muito respeito. Não importando se eles foram homens ou mulheres, dessa ou daquela nacionalidade, tradição ou nível de instrução. E mesmo que eles não sejam mais nossos amigos, pelos desvios de percursos naturais, jamais devemos negá-los. Ninguém aprende nada totalmente sozinho, precisamos sempre do outro para alguma coisa. Ainda assim, paradoxalmente, a nossa única preocupação deve ser criar sua própria tradição e ser o seu único seguidor. Essa é a realidade última da magia e da vida.
Esse é o segredo. Ou era para quem souber entender.


Claudia Hauy

6 comentários:

Fire Goblindancer disse...

hoje nasceu um novo blog

visita-me em:

http://elementais-mfairy.blogspot.com

(nossa já tenho 4 blogs)!

bjs

Feiticeira Lunar disse...

olá, obrigado, vc também é muito gentil..
Vim agradecer sua visitinha e lhe oferecer o award e selinho de aprovação...
Espero qeu goste...
Adorei o texto ser bruxa, bastante explicado e verdadeiro, legal
Bom desejo a vc uma otima quinta-feira, desejo muita sorte e alegrias...

Andressa Amélia disse...

nossa eu me entereço muito por esses asuntos no entanto só muito inexperiente para opinar o.O!
pow mas concerteza digo q to adorando o blogue! vc é d+ vlw bjos
xauzim fuiz!

DEBRINHA FELIZZZZZ disse...

Olá,lembro quando meninha já brincava ser bruxinha,fala com os passaros e sintonia com natureza...Depois cresci muitas coisas passaram no meu caminho...sinto do nada estou sempre buscando ,saber mais sobre bruxas!!! adorei

DEBRINHA FELIZZZZZ disse...

Olá na minha infacia brincava de to bruxinha era das minhas brincadeiras preferidas...No decorrer dos anos muitas coisas acontecera...Dias atuais floram ideia buscar conhecimento de ser bruxa!!!Achei muito legal que li aqui respeito das bruxas!!!Parabéns

Lilrien disse...

Concordo com o texto. A verdade é que quando converso com amigos e lhes confesso o respeito que tenho e sempre tive pela natureza e pelos outros até me olham de lado, como se fosse a coisa mais estranha do mundo. A minha mãe sempre me pareceu diferente. Ainda acredita em magia, e quando passa por arvores toca-lhes e fala com elas. Nunca achei estranho, e tanto eu como a minha mana fomos assim criadas, a acreditar na magia, a honrar a terra e a desejar aos outros o melhor que possam ter, por isso as outras crianças achavam-me extremamente estranha ahah mas ainda bem que fui assim criada, acredito que sou verdadeiramente feliz e agradeço à minha mãe ter sido, e continuar a ser, uma pessoa extraordinariamente estranha e infantil, pois se nunca "crescermos" nunca perderemos os sonhos de criança e tudo continuará a ser mágico. :)