25 novembro, 2006

Exercício para Aperfeiçoamento da Visão



Antes de pensar em usar a Visão, você deve aprender a se concentrar, o que é uma das atividades básicas e primordiais de todo o trabalho mágico.
Uma pessoa concentrada (ou centrada), é uma pessoa que estabelece uma ligação profunda com a Terra. Da mesma forma, dizemos que uma pessoa distraída está "avoada" ou "no ar".


Um estudo profundo sobre os quatro elementos pode nos levar ainda a outras definições.
É muito importante aprender a se concentrar, pois desta forma você permite que a energia da Terra flua através de você, ao invés de esgotar a sua energia.


Quando você canaliza a energia, as forças atravessam você em direção a Terra, ao invés de esgotarem sua mente e corpo.
Existem muitas maneiras de se concentrar e através da meditação você pode chegar a esse nível.


Existem muitos tipos de meditação para concentração e você deve encontrar aquele que você trabalha melhor.
Não é aconselhável partir para uma visualização se você ainda não aprendeu a se concentrar, portanto é indicado que você mantenha uma rotina de meditações até achar que consegue se controlar.


Só a partir desse momento você deve partir para os exercícios de visualização.
Se você tem dificuldades para visualizar em sua mente, tente o seguinte exercício.


Exercício 1


Concentre-se.


Feche seus olhos e visualize uma parede branca à sua frente.


Tente visualizar formas simples, tais como uma linha, um círculo, um quadrado, um triângulo (nível 1).
Se você já consegue visualizar de forma nítida as formas, então chegou à hora de inserir cores nelas. 
Imagine um triângulo em diversas cores, assim como as outras formas geométricas (nível 2).

Se você se deu bem, conseguindo visualizar tudo nitidamente, então pode tentar o inverso: imaginar uma parede de várias cores e as formas em branco (nível 3).
Comentários: O intuito deste exercício é fazer com que você consiga visualizar fácil e mentalmente.


Se você ainda não conseguiu desenvolvê-lo, então tente no dia seguinte.


É importante passar para um nível apenas após ter concluído o anterior.


Não fique forçando muito a sua mente, para não ficar exausto.


O ideal é manter uma rotina até conseguir realizá-lo com satisfação.


Não tenha pressa.

Exercício 2


Concentre-se.


Visualize uma banana.


Veja seu formato, suas cores.


Pegue-a nas mãos.


Vire-as de um lado para o outro, de cabeça para baixo.


Sinta-a; sinta seu cheiro.


Sinta seu peso, sua textura, o tamanho.

Descasque-a.


Sinta a textura da casca.


Dê uma mordida na fruta; prove-a.


Mastigue-as e sinta-a descendo pela sua garganta, enquanto engole.


Continue comendo.


Veja a banana ficando menor.


Quando chegar ao final, veja-a desaparecer.
Comentários: Exercícios de visualização envolvendo alimentos são bastante úteis, pois nosso cérebro sempre guarda as informações necessárias ao longo de nossas vidas.


São referências, correspondências.


Ao pensar em um alimento, rapidamente nos lembramos de sua forma, cor, cheiro, gosto.


Isso tudo é um conjunto de informações que estão guardadas em seu cérebro.


Tente este exercício com outros alimentos, quando tiver sucesso neste da banana.

Exercício 3


Concentre-se.


Visualize um pedaço de barbante.


Visualize-se dando um nó nele, com facilidade e força.


Veja suas mãos se mexendo e enrolando a linha.


Sinta cada movimento que você faz.


Finalize o nó e sinta o nó fechado (nível 1).
Agora, realize o mesmo procedimento para desfazer o nó.


Sinta suas mãos no barbante desfazendo o nó, puxando o barbante e o soltando (nível 2).
Comentários: Este exercício é bastante utilizado ao finalizar um feitiço, para garantir que ele esteja mesmo "feito".


Da mesma forma, para desmanchar um feitiço, você deve desfazer o nó.

Exercício 4


Sobre um pano branco, distribua vinte objetos de livre escolha.


É importante que alguns lhe sejam familiares e outros não.
Durante dois minutos, olhe fixamente para cada um deles, tentando memorizá-los.


Depois desse tempo, cubra-os com outro pano.
Em trinta segundos, tente se lembrar de todos, anotando em um papel.
Comentários: Anote quantos objetos você acertou, quais não foram lembrados e quais foram as suas percepções durante o jogo.


Realize este exercício outras vezes, especialmente se não conseguir se lembrar de todos logo na primeira vez.


À medida que for conseguindo se lembrar de todos, vá adicionando o dobro de objetos a cada semana, para fortalecer cada vez mais sua percepção e memória.

Exercício de Meditação




Meditação é toda e qualquer prática relacionada ao relaxamento do corpo de maneira consciente, quando você consegue ficar sem pensar em nada ou faz algo direcionado.
Este é um simples exercício de meditação que vai lhe ajudar a se concentrar.
Sente-se da maneira mais confortável possível para você.


A posição de lótus é bastante indicada.
Feche os olhos e comece a prestar atenção na sua respiração.


Sinta o ar entrando pelo nariz e preenchendo todo seu corpo.


Depois, expire esse ar vagarosamente, sentindo todas as toxinas de seu corpo sendo levadas por ele.
Não pense em nada; apenas na sua respiração.
Faça isso até se sentir completamente relaxado, o que pode variar de pessoa para pessoa.
Este exercício de meditação é o mais simples de todos e serve principalmente àqueles que têm dificuldade de se concentrar.


Deve ser repetido até a eficácia ser perfeita.

Exercício de Conexão com o Elemento Água


Água é o elemento da fluidez, do amor, das emoções.

Para se conectar facilmente com ela encha uma bacia de água.
Brinque com a água dessa bacia.


Bata as mãos, coloque os pés, sinta a temperatura, o movimento.
Sinta o poder da água.


Exercício de Conexão com o Elemento Fogo


Fogo é o elemento da coragem, do vigor, da paixão.
Uma das formas de conexão com esse elemento é através da chama de uma vela.
Vá a um lugar calmo, apague as luzes e acenda a vela.
Olhe fixamente pra chama dessa vela, interaja com ela.
Dance conforme seus movimentos, aproxime suas mãos da chama e sinta o calor, repare nas mudanças de tamanho e intensidade dessa chama.
Sinta o poder do fogo.


Exercício de Conexão com o Elemento Ar


Ar é o elemento da inspiração, do intelecto, do movimento, do som.
Também há várias formas de você se conectar com esse elemento.
Uma forma simples e eficaz é dançar com uma echarpe, com um lenço.
Coloque uma música de fundo e comece a dançar suavemente, movimentando a echarpe.
Repare nos movimentos que ela faz, como o ar faz com que ela se mova.
Sinta o poder do ar.


19 novembro, 2006

Exercício de Conexão com o Elemento Terra


Terra é o elemento da abundância, da concretização, da força.

Existem várias formas de você se conectar com esse elemento, mas aqui darei um exemplo bem simples.

Se deite no chão, de preferência num gramado, num jardim, e coloque seu ouvido encostado no chão.

Permaneça por alguns minutos dessa forma e ouça a terra.

Repare nos ruídos, nas vibrações, na força quem vêm dela.

Sinta o poder da terra.

Exercício de Relaxamento


Vá a um lugar mais sossegado, de preferência com pouca luz e silencioso.
Deite-se no chão, de barriga pra cima.
Estique seu corpo inteiro, fazendo um alongamento, como se estivesse se espreguiçando.
Comece a respirar profundamente e desvie seus pensamentos dos problemas do dia-a-dia.
Aos poucos vá tencionando e relaxando cada parte do seu corpo começando pelos pés (retese-os e depois os relaxe), passando pelas canelas, joelhos, coxas, pélvis, barriga, peito, braços, pescoço, cabeça. Sinta nisso cada músculo do seu corpo, cada nervo no começo tenso, agora relaxando.
Repita até que você sinta seu corpo todo relaxado.


18 novembro, 2006

Meditação e ritual para Baba Yaga




As divindades da Lua Nova nunca nos procuram; nós é que devemos procurá-las.


Este ritual para Baba Yaga deve ser realizado na Lua Negra e é aconselhável ser repetido durante as três noites entre a Lua Negra e a Lua Nova.




Ingredientes necessários para a realização deste ritual:



- uma vela preta (ou outra cor bem escura)
- um pano preto para cobrir a sua cabeça
- música instrumental lenta e pesada, mas agradável
- roupas escuras
- incenso de benjoim.



Acenda o incenso e leve-o por toda a sala em sentido anti-horário (o caminho da Lua Nova - o desfazer da matéria formada para que possa ser remodelada). Coloque o incenso sobre o altar.
Acenda a vela preta e leve-a também ao redor da sala, também no sentido anti-horário. Coloque-a novamente no altar.
Apague todas as luzes, deixando acesa apenas a luz da vela.

Sente-se diante do altar e cubra a sua cabeça com o pano de modo que você quase não possa enxergar nada no recinto onde se encontra.
Inicie a música.

Feche os olhos e permita que seus pensamentos vão além.

Relaxe seu corpo.

Permita que seus pensamentos mergulhem na sua escuridão interior.
Visualize-se de pé dentro de um túnel mal-iluminado cavado na rocha viva.

A trilha pela qual segue está gasta pelos pés dos que o antecederam.

As paredes são ásperas e lâmpadas as iluminam a intervalos regulares.

Você ouve vozes cantando à distância e move-se naquela direção.
Após muitas curvas e voltas do túnel, você se encontra à entrada de uma vasta caverna.

O teto e as paredes distantes estão ocultas pelas sombras.

No centro da caverna, um enorme caldeirão, com longas velas alinhadas numa trilha conduzindo a ele.

Atrás do caldeirão há um trono esculpido em rocha negra cintilante.

Sentada neste trono, uma figura silenciosa trajando uma túnica preta, o rosto oculto pelo capuz.

Suas mãos pálidas seguram uma brilhante espada.

Um movimento de uma das mãos indica que você deve se aproximar.
Você caminha por entre as fileiras de velas até alcançar o caldeirão.

A figura diante de você se ergue e puxa o capuz, revelando o forte rosto.

Ondas de imenso poder emanam dessa deidade.

Os olhos são fundos poços de escuridão capazes de ver o seu verdadeiro eu. Nada pode ser ocultado dessa deidade da Lua Nova.
Quando for questionado, e decerto o será, você poderá explicar o porquê de sua vinda a este recanto, perante esta poderosa deidade.

Explique exatamente o que deseja que seja alterado em sua vida, o que lhe causa insatisfação ou tristeza no estado atual das coisas.

Mas não explique como deseja que as mudanças ocorram!

Esteja preparado para aceitar quaisquer mudanças que a deidade da Lua Nova apresente.
Preste muita atenção a qualquer coisa que lhe seja dita. Pode ser que lhe peça para entrar no caldeirão.

Esta é uma experiência espiritual fortíssima, portanto certifique-se de que está preparado para enfrentá-la.

A experiência do caldeirão varia de indivíduo para indivíduo e é extremamente pessoal.

Se decidir entrar no caldeirão, a deidade da Lua Nova provavelmente tocará seu coração com a espada, tomará sua mão para lhe ajudar a entrar no caldeirão e em seguida o ajudará a sair.
O que cada pessoa experimenta no caldeirão é completamente diferente. Pode passar por uma iniciação, ter visões do futuro e/ou até mesmo ver seu corpo físico ser destruído até os ossos para em seguida ser reconstruído.

Pode reviver velhas experiências, numa exibição forçada para que veja os erros que cometeu e evite cometê-los novamente no futuro.

Algumas experiências, como a perda de pessoas e animais queridos, podem ser extremamente emocionais, mas são necessárias. Na maioria das vezes, a sensação de perda é seguida por contato com a pessoa ou animal amado, para mostrar que nada é totalmente destruído ou perdido.
Quando sair do caldeirão e estiver novamente em pé na caverna, diante da divindade da Lua Nova, pode ser apresentado a símbolos ou objetos que terão um significado especial para você.

Alguns desses símbolos podem parecer obscuros nessa ocasião, tanto no seu sentido quanto na sua imagem.

Apenas aceite-os.

A explicação virá mais tarde.
No final, a divindade da Lua Nova o saúda com as sua espada e você se sente espiralando pela escuridão, voltando à consciência física.

Você provavelmente estará respirando profundamente quando retornar a este mundo e é possível que você fique um pouco desorientado no início, pois as vibrações da Lua Negra são bastante diferentes das do nosso plano.
Abaixe o pano de seu rosto e olhe ao redor da sala. Pode ser que sinta a presença (ou até mesmo veja) alguns seres de outros planos que estejam junto de você para lhe ajudarem a se orientar.

Eles querem prestar auxílio para que você reflita sobre o que aprendeu.

Permaneça sentado por mais algum tempo e agradeça à divindade da Lua Negra por sua ajuda. Preste atenção aos seus sonhos deste dia até a Lua Cheia, anotando todas as impressões e símbolos que aparecerem.

As divindades da Lua Negra operam com mudanças drásticas, pois para abrir espaço para o novo, deve-se destruir o velho.
Acima de tudo, você deve estar preparado para aceitar e seguir as mudanças que ocorrerão em sua vida.

As mudanças são sempre difíceis, mas à medida que for realizando esse tipo de ritual você aprenderá a ter um senso de ordem mais fortalecido.

Meditação da Anciã: Lua Minguante


Escolha um local tranqüilo para realizar esta meditação. Tente se concentrar. Pode acender algum incenso de sua preferência e uma vela vermelha, se assim desejar. Tenha à sua frente um copo com água e sal.
Visualize uma Lua Minguante, com o seu escuro ao redor.
A Lua Minguante representa a Anciã, a velha que já ultrapassou a menopausa e está se dirigindo à morte, ao seu fim.


Assim como ela indica o término, todas as coisas devem terminar a fim de suprir novos inícios.
A morte simbólica é necessária, pois só assim podemos recomeçar.
O grão que foi cortado na Lua Nova agora é cortado e sacrificado.


A página que antes era em branco e agora está escrita é totalmente destruída, para que uma nova página em branco possa se apresentar.
A vida se alimenta da morte, a morte conduz à vida e esta é uma grande sabedoria das Bruxas.
A Anciã é a mulher sábia, cheia de conhecimento e sabedoria aprendidos pela vida.


Ela é infinitamente velha.


E você?


Sente também o poder da idade?


Sinta em seu corpo a evolução adquirida em cada célula.
Você tem poder para terminar, assim como para começar.


Você pode destruir aquilo que está estagnado e decadente.


Veja-se em seu próprio manto negro azulado que brilha sob a Lua Minguante.
Medite acerca desses aspectos até achar que já aprendeu bastante com a Anciã.


No final, agradeça pelo ritual bebendo o copo com água e sal e sentindo-se purificada fisicamente e espiritualmente.

Meditação da Mãe: Lua Cheia


Escolha um local tranqüilo para realizar esta meditação. Tente se concentrar. Pode acender algum incenso de sua preferência e uma vela vermelha, se assim desejar. Tenha à sua frente um copo com água e sal.
Visualize a Lua Cheia.


Contemple o seu esplendor.


Ela é a Mãe, o poder da realização e de todos os aspectos criativos de nossa mente.
Na Lua Cheia, nutrimos tudo o que foi começado na Lua Nova.


É como se a Deusa abrisse seus braços e nutrisse nossas vidas.
Seja abraçada por ela.


Sinta seus seios, seu ventre, seu calor.


De seu útero desabrocha vida.


Sinta que, como Ela, você também tem esse poder de nutrir, abençoar, dar, receber e tornar manifesto o que é possível.
A Deusa Mãe a mulher sexual, cujo prazer é a força que sustenta toda a vida.


Sinta o poder em seu próprio prazer, no orgasmo, na grande força que move o mundo.
A cor da Deusa Mãe é o vermelho sangue, que é vida.
Medite acerca desses aspectos até achar que já aprendeu bastante com a Mãe.


No final, agradeça pelo ritual bebendo o copo com água e sal e sentindo-se purificada fisicamente e espiritualmente.

Meditação da Donzela: Lua Nova e Crescente


Escolha um local tranqüilo para realizar esta meditação. Tente se concentrar. Pode acender algum incenso de sua preferência e uma vela branca, se assim desejar. Tenha à sua frente um copo com água e sal.
Visualize uma Lua Crescente prateada. A Deusa é a jovem, o poder daquilo que se inicia, que cresce e gera.
Ela é a caçadora indomada, assim como nos planos e idéias antes de serem equilibrados pela nossa própria realidade.
Pense em uma página em branco; pense em como são infinitas as possibilidades de escrita nessa página. Essa é a Deusa jovem.
Você tem poder para iniciar e crescer; sinta esse poder. Pense nas suas possibilidades e em seus potenciais.
A Deusa corre livre pela floresta... Ou seria você mesma?
A Donzela não pertence a ninguém, exceto a si mesma.
Veja a luz da Lua refletindo em seus cabelos.
Onde Ela está indo?
Quais são seus planos?
Como pode chegar lá?
Medite acerca desses aspectos até achar que já aprendeu bastante com a Donzela. No final, agradeça pelo ritual bebendo o copo com água e sal e sentindo-se purificada fisicamente e espiritualmente.




Meditação para conexão com a Donzela


Esta meditação pode ser executada por mulheres e homens.

Itens para a meditação:- 1 vela branca
- flores brancas ou folhagens
- 1 cálice com água
- 1 incenso de alecrim



Itens que você dispor no seu altar:
- folhas de diversos tipos
- crescente de prata
- desenho ou representação da Deusa como Virgem
- representações de animais silvestres
- música com sons de florestas
- flauta (se você souber tocar)

Pode lançar o círculo se assim desejar. Acenda a vela e o incenso.Concentre-se e centre-se. Realize um exercício para relaxamento (veja link correspondente neste site) para relaxar completamente. Quando sentir que estiver pronta, invoque a Deusa jovem com palavras como as seguintes:
Deusa, você que é a jovem caçadora,
Venha a mim.

Misture as flores e folhagens ao seu cabelo, deixando-as cair pelo corpo.

Segure o cálice em seu colo, com as duas mãos, e medite sobre os atributos da Deusa como Virgem: os inícios, a luta, a criança interior, o amor, o companheirismo, a audácia e a força de vontade.
O que esses atributos significam para você? Com qual deles você mais se identifica no momento?
Sinta o cheiro das plantas e do incenso. Deixe-se levar a um lugar distante. Uma floresta, da maneira como você imaginar.
Preste atenção no lugar onde você está. Que cheiros você sente? Quais são as cores que você vê? Que sons você escuta?
Sinta-se em paz, caminhando pelo bosque.
Em determinado momento, veja uma jovem vestida de branco vindo em sua direção. Ela está carregando um cálice como o seu, cheio de uma água brilhante e que parece mágica. Ela é a Donzela que veio lhe abençoar.
Em determinado momento, ela lhe oferece o cálice, dizendo que você pode beber o líquido que há nele.
Você então pega o cálice nas mãos, bebe todo o líquido e sente-se completamente revigorada ao ingerir seu conteúdo.
Você lhe devolve o cálice e agradece. Ela toca a sua testa e você sente-se energizada pelo toque da Deusa. Ela está lhe abençoando com toda a sua juventude e força.
Perceba como a Deusa está se afastando lentamente, mas continua olhando em seus olhos e lhe transmitindo paz. Deixe essa sensação tomar conta de você.
Aos poucos, retorne ao lugar onde tudo começou, e vá se distanciando para que possa abrir os olhos lentamente e voltar ao local de sua meditação.
Observe o cálice com água sobre o seu altar, reluzindo com a chama da vela branca. Pegue-o e beba todo o seu conteúdo, oferecendo um pouco a Terra.
Agradeça à Deusa por sua presença e finalize sua meditação, com um novo exercício de relaxamento.
A Donzela lhe abençoou.

17 novembro, 2006

Meditação dos Elementos


Essa meditação é para ser usada nos itens que você escolher para representar os elementos em seu altar. Exemplo para o Norte, mas o procedimento deverá ser repetido a cada direção.
Encontre uma hora em local em que você não seja perturbado. Ache o Norte magnético com uma bússola e posicione sua cadeira de modo a ficar voltada para essa direção. Feche seus olhos e receba impressões sobre a direção. Se Entregue a isso por alguns minutos. Anote as sensações que você receber.
Agora, segure o item que você escolheu para representar a terra e feche seus olhos. Abra sua mente e sinta as impressões desse elemento e como ele se relaciona com a direção. Pense sobre como ele corresponde a você e ao Universo. Quando você terminar, anote suas impressões.
Crie uma entidade positiva em sua mente que represente o elemento da Terra. Anote a descrição dessa representação e como você se sente sobre ela.
Continue através de cada item, encarando a direção que corresponde ao elemento e terminando por anotar seus sentimentos e pensamentos sobre cada um. Sinta como cada elemento é em termos de cor, calor, umidade, contato e força.


Exercício de conexão com os elementos


Conexão com o elemento Ar


Fique de frente para o leste. Concentre-se e centre-se. Respire profundamente e torne-se consciente do ar enquanto ele flui para dentro e para fora de seus pulmões. Sinta-o como o sopro da Deusa e absorva a força vital, a inspiração, do universo. Deixe que a sua própria respiração incorpore-se ao vento, às nuvens, às grandes correntes que varrem o campo e o oceano com o movimento da terra. Diga: "Salve, Arida, iluminada senhora do Ar!".


Conexão com o elemento Água

Fique de frente para o oeste.
Concentre-se e centre-se. Sinta o sangue fluindo através dos rios de suas veias, as marés líquidas dentro de cada célula do seu corpo. Você é líquido, uma gota congelada do oceano original que é o útero da Grande Mãe. Descubra os calmos lagos de tranqüilidade dentro de você, os rios de sentimentos, as correntes de poder. Afunde profundamente no poço de sua mente interior, abaixo do nível de sua consciência. Diga "Salve, Tiamat, serpente das profundezas do mar!".


Conexão com o elemento Fogo


Fique de frente para o sul. Concentre-se e centre-se. Torne-se consciente da fagulha elétrica dentro de cada nervo enquanto impulsos pulam de sinapse para sinapse. Conscientize-se da combustão dentro de cada célula, enquanto o alimento é queimado para liberar energia. Deixe o seu fogo unir-se à chama da vela, à fogueira, ao fogo da lareira, ao raio, à luz das estrelas e do sol, unido ao espírito resplandecente da Deusa. Diga "Salve, Tana, deusa do fogo!".


Conexão com o elemento Terra


Fique de frente para o Norte. Concentre-se e centre-se. Sinta seus ossos, seu esqueleto, a solidez de seu corpo. Conscientize-se de seu corpo, de tudo o que possa ser tocado e sentido. Sinta a força da gravidade, seu próprio peso, sua atração para a terra, que é o corpo da Deusa. Você é um traço natural, uma montanha em movimento. Una-se a tudo que vem da terra: grama, árvores, grãos, frutas, flores, animais, metais e pedras preciosas. Retorne ao pó, à matéria orgânica, à lama. Diga "Salve, Belili, mãe das montanhas!".




"A Dança Cósmica das Feiticeiras", de Starhawk.

Exercícios com Mantra


Os mantras são sons considerados sagrados e com poderes vibratórios extraordinários. Para os indianos, o mantra mais sagrado é AUM, cujo som guarda ligação com os aspectos divinos da criação, conservação e destruição. Uma variação deste mantra é o OM, muito usado no Ocidente.
A meditação com um mantra consiste em fazer deste som o foco que direciona a atenção da mente. Da mesma maneira que se cria um foco visual, pode-se criar um foco sonoro, com a mesma função de auxiliar na concentração. O som vibra mais que uma imagem e por isso é muito fácil chegar à meditação através de mantras.
Algumas pessoas substituem o mantra indiano por palavras com qualidade que desejam despertar na sua natureza: paz, amor, alegria. Outras usam como mantra seu nome ou a primeira vogal de seu nome.
A entonação de um mantra é importante. A voz deve fluir solta, emitindo o som com prolongamento no final, deixando que o mantra escolhido flutue no espaço. Depois que tiver repetido o mantra algumas vezes, passe à sua repetição mental ou em voz baixa, fazendo com que ele ocupe a sua mente por completo, evitando outras produções mentais.


Exercício de meditação com mandala


As mandalas são desenhos circulares, considerados sagrados em muitas culturas antigas e atuais.


Para este exercício, você vai precisar do desenho de uma mandala. Ela pode ser de origem ocidental ou oriental, porém deve ter seu ponto central bem definido, pois nas mandalas este ponto está associado às forças divinas.
Sente-se e coloque a mandala à sua frente, numa posição em que você possa observá-la confortavelmente. Analise por algum instante o desenho todo, depois fixe seu olhar no ponto central da mandala. Enquanto olha para este ponto, não permita que os pensamentos percam o rumo. Sempre que vier à mente outro assunto, deixe que ele vá adiante, não o retenha.
É possível que, se você tiver alcançado boa capacidade de concentração nos exercícios anteriores, consiga meditar já a partir do primeiro contato com as mandalas, pois elas têm uma estrutura que conduz à meditação.


Exercício de meditação visual


É semelhante ao exercício de concentração, mas nesta meditação o objeto é substituído por uma imagem mental, criada para ser o foco de atenção da mente. No princípio estas imagens são simples, como uma árvore, por exemplo, para não se perder o sentido global da figura mental.


Mais tarde, podem-se criar focos mentais mais complexos, como uma paisagem com diversas árvores.
Na meditação, a imagem mental é o menos importante; dedique atenção às sensações que tal figura desperta, mas esteja sempre atento para não sair do foco mental.
Sugestões para focos visuais de meditação: um campo de trigo, uma montanha com neve, a chama de uma vela, a luz da Lua iluminando um canto do jardim, a luz do Sol refletida nas águas do mar, a imagem de um personagem mitológico, a figura de uma carta de Tarô, o desenho de um símbolo.


Exercício de concentração com foco visual


Separe um objeto simples, como um prato, por exemplo. Deve ser algo com uma forma simples para não ter que ser visto em partes. Sente-se numa cadeira com apoio para as costas, colocando este objeto a mais ou menos um metro de distância, numa altura em que você não force os olhos para enxergá-lo.
Fique olhando para o prato, o objeto escolhido no nosso exemplo, com a intenção de dirigir seus pensamentos apenas para a sua observação. Qualquer pensamento que surja deve ser afastado; volte então a dedicar atenção plena ao prato, pensando nos seus aspectos em detalhes. De início, é impossível conseguir ficar muitos segundos sem desviar o pensamento. Isto só vai acontecer com o treino. À medida que você insiste, sua mente vai adquirindo a capacidade de se concentrar cada vez por mais tempo na observação do objeto. Repita por vários dias.
Você vai notar que em alguns dias é muito mais fácil se concentrar do que em outros. Também poderá observar em quais horários sua mente é mais facilmente controlada, para futuro benefício dos seus exercícios de concentração ou meditação. As primeiras horas da manhã são boas para quem aprecia levantar cedo, o final do dia serve para quem acorda em cima da hora de trabalhar.

O silêncio da mente



A meditação, que chamamos de silêncio da mente, é um conjunto de técnicas mentais que permite ao praticante limpar sua mente, tranqüilizando sua produção mental a ponto de detê-la completamente.
Quem pratica a meditação sente muita harmonia, experimenta relaxamento, melhora seus processos mentais, evita o stress, afasta más energias, cria espaços mentais para mais criatividade.


O aprendizado da meditação é um pouco longo, pois passa por várias etapas.
A meditação pode ser aprendida m livros e em cursos. O mais importante, ao escolher o processo de aprendizado, é buscar algo que não crie limites, pois quem deseja trabalhar sua mente no sentido de melhorá-la jamais conseguirá progredir se estiver ligado a seitas ou movimentos limitadores.


Em nenhum assunto deste mundo existe uma verdade absoluta ou uma autoridade suprema; desconfie sempre daqueles que dizem que seu caminho é o único que tem valor.
Antes de meditar, o praticante treina a concentração, que é o trampolim que lhe permite chegar à meditação.


A concentração ensina a mente a ficar direcionada a apenas um foco de atenção. Este treino leva tempo, pois nossa mente, mesmo que não pareça, é muito indisciplinada.
Concentrar-se é fixar a mente num determinado ponto, afastando todos os outros assuntos que a distraiam. Você pode escolher um foco visual ou criar um foco mental para direcionar sua concentração.


Geralmente este foco é uma forma, um objeto. Olhando para o foco e fazendo esforço para desviar qualquer pensamento que surja fora daqueles que são gerados a partir da observação do objeto, consegue-se dar início à primeira forma de domínio dos processos mentais, que é a concentração. Só quem sabe se concentrar plenamente pode meditar.
Experimente pegar um objeto qualquer e colocá-lo na sua frente. Olhe para ele, tentando fixar seu pensamento na observação da sua forma, cor, tamanho, posição. Você vai ver que logo outros pensamentos surgem e, sem querer, quando percebe, sua mente já está longe. Não faz mal, volte a olhar para o objeto, novamente atento a seus detalhes, fazendo força para não pensar em mais nada. Bem rápido sua mente vai fugir de novo e você volta a dirigi-la para seu foco visual. É cansativo, mas vale a pena insistir até dominar a distração.


Pode levar alguns meses até conseguir vencer a dispersão mental.


No entanto, ao se tornar dono dos seus pensamentos, você terá vencido e controlado sua mente e poderá aprender a meditar.
Para os indianos, que conhecem a meditação há séculos, existem duas espécies de meditação. Numa delas ocupa-se a mente com a força das divindades e na outra, com a individualidade. Para nós, seria melhor entender a meditação como um estado mental de limpeza, no qual a mente não se esvazia, mas fica silenciosa, sem realizar nenhuma atividade.


Assim, para cada início, é preciso colocar algo na mente, de tal forma que ela seja ocupada apenas por este elemento.
Há técnicas de meditações visuais, com mandalas, com sons, com um tema, entre outras. Cada pessoa poderá ter mais facilidade com um tipo de meditação, assim, é bom experimentar várias técnicas até chegar àquela que a conduz mais rapidamente, e também mais prazerosamente, à meditação.
A meditação ocorre com mais facilidade quando é precedida por exercícios respiratórios e um pequeno relaxamento.

Meditação


Vamos analisar algumas questões que podem dar amparo qualquer pessoa, mas que são essenciais para uma Bruxa.


Não se deve ver uma Bruxa como alguém totalmente poderosa, completamente defendida, absolutamente inatingível.


Na verdade, ela é vulnerável, pois lida com muitas e variadas energias.


Como trabalha para melhorar a si mesma e a Humanidade, geralmente ela é vítima de muita energia negativa.
Faz parte de sua formação, aprender a enfrentar esse inimigo.


As defesas mais efetivas são uma vida reta, na qual não há espaço para atitudes, pensamentos ou palavras negativas.


Mas elas residem também na fé.
O apoio da oração e da meditação é um fator importante no reforço espiritual.


Por viver muito ligado às forças da natureza, geralmente o equilíbrio energético físico da Bruxa é bom e, mesmo quando fica num nível abaixo do que lhe convém, este pode ser facilmente reposto.


Mas nas horas em que se sente uma diminuição da luz que o envolve, precisa estar apoiado em outras fontes de energia.

09 novembro, 2006

Ritual dos cinco ventos


O Ritual dos Cinco Ventos deve ser realizado após o término da seqüência de meditação dos cinco ventos. Ele foi designado para aprofundar ainda mais a sua conexão com os elementos.

Suprimentos necessários:



*1 vela de cada cor, azul, verde, amarela, vermelha e branca ou prata.
*Glitter nas mesmas cores acima.
*Uma pedra que fará papel de altar.


Procedimento:

Leve a pedra altar para um local onde você não será interrompida e onde não se importe de ver glitter pelo chão. Disponha as velas na pedra de forma que, ao ficar de frente para a vela, você também fique de frente para a direção correspondente (amarela ao Oeste, vermelha ao Norte, azul).
(Ao Leste e verde ao Sul). Coloque a vela branca no centro. Deixe os potinhos de glitter ao alcance da mão. Sente-se de frente para o Leste, acenda a vela amarela e apanhe um pouco do glitter amarelo em sua mão. Medite por alguns instantes sobre as propriedades do Vento Leste, o Vento do Ar. Peça ao elemento Ar que envie a você as qualidades dele que você necessita e que leve de você aquelas das quais você deseja se livrar. Quando terminar sopre o glitter de sua mão e observe as partículas caindo à sua frente. Sinta-as como sendo o Vento Leste vindo para realizar o seu desejo. Permaneça algum instante em comunhão com o Leste e o Ar. Repita o procedimento acima para cada direção e depois se sente de frente para a direção que mais te atrai e repita o procedimento para o espírito, soprando o glitter mais para cima. Quando terminar, agradeça aos Elementos e aos respectivos Ventos por seu auxilio e apague as velas na mesma ordem em que você as acendeu. Guarde as velas para uma necessidade em que você precise se sintonizar com um elemento específico, então acenda a vela daquele Elemento e relembre o ritual. O ritual sempre deverá ser feito para os cinco ventos juntos para manter o equilíbrio em sua energia.

Meditação dos cinco ventos




Prepare-se para a meditação com sua forma costumeira, não esquecendo de criar um círculo de proteção ao seu redor. Relaxe seu corpo e respire profundamente. Quando estiver pronta, visualize-se no alto de uma montanha, um local no qual você se sente bem, em comunhão com a Natureza. Curta a paisagem ao seu redor por alguns instantes. Depois de algum tempo, alguém irá se aproximar de você, esta pessoa é seu guia nesta jornada, é ele quem vai te trazer os cinco ventos e explicar o significado de cada um. Pode ser quem você quiser, ter a forma que você quiser, mas deve ser alguém em quem você possa confiar. Quando seu guia chegar, cumprimente-o, converse com ele. Depois de algum tempo ele dirá que tem um presente para você, você estenderá a mão e ele colocará nela um pequeno vento, como um minúsculo tornado, que se espirala em sua mão. O primeiro vento é o Vento do Leste, que é amarelo. Seu guia irá explicar o que este vento significa, o que ele pode te trazer. Sinta-o em sua mão, concentre-se nele, pense sobre o que o guia te disse e imagine formas de utilizar este vento. Quando se sentir pronta, deixe que o vento parta e seja reabsorvido pelo Universo e agradeça ao seu guia pelo presente. Despeça-se dele e volte da meditação. Ao terminar, anote o que o guia te disse e as formas pelas quais você acha que este vento vai te ajudar. No dia seguinte, vá à meditação para o mesmo lugar e solicite a presença de seu guia, pode ser o mesmo de antes ou um novo. Ele vai te trazer o segundo vento, o Vento vermelho do Sul, repita todo o procedimento realizado acima. O terceiro vento, a ser trabalhado no terceiro dia, é o Vento azul do Oeste. No quarto dia trabalhe com o Vento verde do Norte e no último dia,
Com o Vento prateado do Espírito. Não se esqueça de anotar sempre as explicações de seu guia (ou guias) e as formas pelas quais este vento poderá ser útil a você. Pense sobre as características negativas de sua personalidade que um dos elementos pode ajudar a minimizar e sobre as características positivas que podem ser ampliadas, também com a ajuda de um dos elementos.

Repita todas as meditações sempre que julgar necessário.

E como os Elementos podem nos ajudar?


Devemos aprender a nos conectar com o vento e seu respectivo elemento quando necessitarmos de suas propriedades, tanto físicas, quanto associadas. Por exemplo:



O Vento do Ar é o vento do intelecto, ele pode ser convocado para nos ajudar na hora de estudar para uma prova, ou nos preparar para uma reunião de trabalho, ou na construção das palavras para um ritual. Se você estiver se sentindo cansada, tensa, sem energia, apele para as propriedades físicas do Ar e ele vai te trazer leveza e relaxamento.
Quando estiver ventando, exponha-se ao vento e peça a ele que limpe e purifique suas energias.



O Vento do Fogo pode ser convocado para te trazer paixão no caso de um primeiro encontro, ou criatividade no desenvolvimento de um projeto, ou mesmo coragem no caso de um confronto ou situação complicada. Estando próxima a uma fogueira, queime, mentalmente, as coisas que estão te perturbando. Nos dias frios, este vento pode nos trazer calor.



O Vento da Água pode nos trazer a intuição e nos ajudar no caso de uma leitura de cartas de Tarô, ou bola de cristal, ou até mesmo para decidir se fechamos ou não um negócio. Pode nos trazer a energia curativa para amenizar uma cólica, ou dor de cabeça. Em dias quentes, este vento pode nos trazer frescor e até mesmo abaixar uma febre.

O Vento da Terra pode nos ajudar a manter a paciência com certos colegas de trabalho, ou numa casa cheia de crianças, pode nos trazer estabilidade e ajudar em nossa busca por sabedoria. A nível físico, pode ajudar a combater tonturas e enjôos ao nos conectar com a terra.
O Vento do Centro nos traz a espiritualidade e nos conecta com a divindade. Apele para ele quando se sentir deprimida, solitária ou até mesmo ameaçada.

Mas, lembre-se, a cada elemento são associadas características positivas e negativas, portanto dois avisos devem ser levados em consideração.
1 - Ao apelar para um elemento seja bem específica em relação à característica que você necessita naquele momento. Num primeiro encontro, você pode apelar para a paixão do Fogo, mas não vai querer o impulso de briga. Você pode pedir a leveza do Ar para assistir a uma reunião cansativa, mas não vai querer a distração que ele também pode trazer.

2 - Jamais trabalhe repetidas vezes com as características de um determinado elemento sem convocar também o elemento oposto para contrabalançar, ou você pode acabar com excesso da energia daquele elemento. Batalhar por estabilidade com o auxílio da Terra é muito bom, mas sem equilibrar isso com a leveza do Ar, você pode acabar muito rígida e inflexível. Pedir o auxílio do fogo para te trazer coragem, mas sem a suavidade que a água traz, pode te deixar briguenta e intolerante. Vale também o oposto, se você está pedindo a ajuda da água para suavizar suas emoções, equilibre isso com um pouco de Fogo, ou pode se tornar uma "manteiga derretida".

Para começar a se conectar com as energias de cada Elemento ou Vento existe um bom ritual de meditação chamado a Meditação dos Cinco Ventos. Pratique essa meditação durante cinco dias seguidos, trabalhando um vento por dia, para conhecer as características de cada Elemento. Ao final da meditação, lembre-se de anotar tudo o que sentiu no que diz respeito ao elemento e as formas pelas quais você acha que este Vento pode te auxiliar.

Comunhão com os Elementos


Existe pessoas que acreditam que os Elementos servem apenas para serem convocados na hora do fechamento do círculo para dar proteção aos trabalhos mágicos. Não é verdade, a energia dos Elementos, tanto no nível de propriedades físicas, quanto no nível de propriedades associadas deve ser utilizada para nos auxiliar nos trabalhos mágicos e também na vida prática.
Cada Elemento é associado a uma direção, a uma cor, a um grupo de propriedades e características e recebe a denominação de um Vento. Podemos dizer que existem cinco ventos:

O Vento Leste é associado ao Ar, ao intelecto, à força da mente, ao bom senso, e no aspecto negativo à distração, ao excesso de imaginação. Sua cor é o amarelo e este vento é quente e úmido. Fisicamente ele pode nos trazer a leveza, o relaxamento.

O Vento Sul é associado ao Fogo, à paixão, à criatividade e à coragem, mas também à guerra, à disposição de lutar e ao orgulho e prepotência. Ele é vermelho, quente e seco. A nível físico pode nos trazer o calor.

O Vento Oeste é associado à Água, à intuição, às habilidades psíquicas de modo geral, às emoções, à cura. No aspecto negativo ele é associado ao descontrole emocional, à melancolia, à timidez. Ele é azul, frio e úmido. A nível físico, pode nos trazer a
Frescura da água e a umidade.

O Vento Norte é associado a Terra, à estabilidade, à solidez, à paciência, mas também à rigidez, à inflexibilidade, à incapacidade de mudar. Ele é verde, frio e seco. A nível físico pode nos trazer de volta a terra, ajudar no equilíbrio e na estabilidade.

Finalmente, o Vento do Centro, o Vento do Espírito, que pode nos conectar com a Divindade, ele não tem propriedades físicas, mas é associado à fé, à proteção, à espiritualidade. Pode ser visualizado prateado e brilhante, mas não é nem frio, nem quente, nem seco, nem úmido. Ele apenas é.

O corpo humano e os quatro elementos



Temos em nosso corpo os quatro elementos:


Terra - estrutura do corpo físico e as sensações
Água - bioquímica, emoções e sentimentos.
Fogo - energia e intuição
Ar – mente

De acordo com Andy Baggot, as terapias também podem ser consideradas em termos dos quatro elementos:

Terra - terapias físicas como massagem, reflexologia, ajuste de ossos.
Ar - aconselhamento e outras terapias da mente
Fogo - terapias energéticas como curas por cristais e a acupuntura
Água - terapias que agem diretamente na bioquímica do corpo, como nutrição e ervas.

Entre os povos antigos, as terapias que provavelmente eram usadas eram massagens, nutrição, ervas, cura, aconselhamento e até ajustamento de ossos. Os celtas eram povos guerreiros e técnicas de sobrevivência e exercícios físicos melhoram a qualidade de nossa saúde e fortificam nossos quatro elementos.
Cada elemento está relacionado a um órgão específico do corpo humano:

Terra: rins
Ar: pulmões e intestino grosso
Fogo: fígado e vesícula
Água: coração e intestino delgado
Éter: baço pâncreas e estômago

Éter é o quinto elemento, o equilíbrio. Este ponto deve ser encontrado em todos os níveis para que possamos alcançar a verdadeira paz e felicidade.

Esses níveis são:

Terra: físico
Água: emocional
Fogo: destino
Ar: mental
Éter: espiritual

Apenas atingindo o equilíbrio em cada um dos elementos chegaremos ao equilíbrio total, que é representado pelo Éter. É por isso que encontrar o equilíbrio é uma parte fundamental da Magia.
É impossível praticar Magia se não estamos verdadeiramente equilibrados.
As doenças se manifestam em nosso corpo quando há o desequilíbrio de algum elemento dentro de nós.
Por exemplo: pessoas muito distraídas (excesso de elemento Ar) ou pessoas com problemas mentais (fraqueza do elemento Ar).
Pessoas que não se expressam e usam drogas e bebidas para tentar se esconder de sua própria dor geralmente têm problemas de fígado (fraqueza do elemento Fogo).

Os elementos também estão relacionados aos orifícios do corpo humano:

Ar: nariz
Fogo: olhos
Água: ouvidos
Terra: ouvido interno
Éter: boca

Da mesma forma, também há relações entre os elementos e os tecidos internos do corpo:

Terra: ossos
Ar: pele
Fogo: músculos e tendões
Água: sistema circulatório e vasos sangüíneos
Éter: carne e sangue